2ª edição da Virada Educação Salvador será no Rio Vermelho

04/09/17 //

A Virada Educação surgiu em São Paulo, em 2014, e a cada ano conquista mais cidades entusiastas. A primeira edição da Virada Educação Salvador aconteceu em setembro de 2015, no bairro de Periperi, e contou com a participação de aproximadamente 800 pessoas, com mais de 40 oficinas realizadas. A terceira edição será realizada em 16 de setembro e terá como base o Colégio Estadual Euricles de Matos, localizado no Rio Vermelho. A expectativa é superar o número de pessoas e oferecer um cardápio com dezenas de atividades educativas, culturais e artísticas.

Um dos principais objetivos do movimento é chamar atenção sobre o tema da educação, trazendo o ideal de que a melhoria do ensino na cidade depende de uma construção coletiva entre educadores, pais, alunos e a sociedade. O “aprender” e o “ensinar” estão espalhados por todos os lugares e de diversas formas. Esse princípio da Virada Educação coaduna com a proposta do Bairro-Escola Rio Vermelho e por isso a parceria foi orgânica

Entusiastas interessados em participar da organização do evento como voluntários ou que tenham alguma ideia, projeto ou ação educacional que queiram desenvolver com a comunidade, ainda podem se inscrever no Facebook do evento.

São quatro categorias de atividades a serem desenvolvidas (diálogos, exibições, intervenções e trilhas e oficinas) que envolvem conversas, exibições de filmes, mostra fotográficas, shows musicais, peças teatrais, oficinas e outras ações artísticas, as quais o entusiasta pode se inscrever. Já os voluntários poderão trabalhar em diversas etapas da produção do evento juntamente com a equipe organizadora.

A nova edição já tem garantidas oficinas que vão abordar diversos temas, tais como as vantagens de permanecer na escola, apresentação de poesia falada, oficina de produção de cartaz lambe-lambe etc. O projeto conta, ainda, com um dia de celebração repleto de atividades ocupando espaços de forma criativa e promovendo um intercâmbio de conhecimentos. A intenção é trazer a comunidade para dentro da escola e alunos/professores para os espaços de sua comunidade, reforçando a ideia de que é possível vivenciar a educação de várias maneiras e em diversos espaços e contextos.

A expectativa dos “vitadores” é tornar um evento fixo no calendário soteropolitano e que nas próximas edições a proposta possa se espalhar pelos bairros da cidade, alcançando cada vez mais espaços e pessoas.

Bairro-Escola é certificado como Tecnologia Social pela Fundação Banco do Brasil

03/09/17 //

O Bairro-escola é uma das tecnologias sociais certificadas pelo Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social 2017. A certificação contempla a experiência vivida pelo Bairro-Escola Rio Vermelho, em Salvador (BA), inspirada na metodologia desenvolvida pela Cidade Escola Aprendiz.

A experiência no Rio Vermelho teve início, em 2012, com um diagnóstico elaborado com a participação da comunidade e o apoio técnico do Aprendiz, da CIPÓ – Comunicação Interativa e do Instituto Chapada de Educação e Pesquisa (ICEP). Ao longo de 2013, foram realizadas diversas atividades, que culminaram com um seminário no final do ano, para produzir o primeiro Plano Educativo Local, onde estavam descritos os objetivos e as ações que que seriam realizadas até 2016 com o principal objetivo de fomentar o primeiro bairro educador da cidade.

A mobilização intensa foi fundamental para que o Bairro-Escola Rio Vermelho ganhasse visibilidade, legitimidade e apoio. Mas além de conhecer e mobilizar os agentes, foi preciso também reconhecer e articular os demais ativos do território. Em um mapeamento mais profundo, foram levantados dados estatísticos, os problemas e as oportunidades que o bairro poderia oferecer para potencializar o desenvolvimento integral de seus estudantes.

A colônia de pescadores que organiza a Festa de Iemanjá, a Casa do Rio Vermelho onde morou o escritor Jorge Amado, as baianas de acarajé, as empresas de economia criativa, os ateliês dos artistas foram alguns dos achados que se transformaram em oportunidades de trabalho conjunto.

Vale destacar que desde então as praças tem sido transformadas em salas de aula a céu aberto, abrigando festivais, saraus de leitura e atividades temáticas. Eventos em que as escolas públicas e seus alunos, muitas vezes invisíveis ou estigmatizados pela população local, puderam mostrar a sua face mais luminosa e interagir com a comunidade do entorno.

Ao longo dessa caminhada,  o IDEB das escolas participantes cresceu de forma consistente e a comunidade escolar e seu entorno foram se apropriando da iniciativa e do próprio bairro como oportunidades educativas.

Atualmente, o Bairro-Escola Rio Vermelho é coordenado por uma Comissão Gestora composta por membros que representam os diversos setores do território. Os estudantes também se envolvem, seja para indicar o que não está funcionando na sua educação, seja para elaborar propostas, realizar projetos ou mobilizar outras pessoas.

Para conhecer um pouco mais da experiência, é possível acessar a tecnologia no endereço http://bit.ly/2uOpmaA e também o site www.bairroescolarv.org.br.

 

Educação de São Miguel dos Campos avança com trabalho conjunto de poder público e comunidade

07/12/16 //

A educação de São Miguel dos Campos, em Alagoas, encerra 2016 com muitos resultados a celebrar. No ensino médio, por exemplo, houve queda de 91% na taxa de abandono: de 689 alunos (em 2015) para 60 (em 2016). No ensino fundamental, a redução foi de 64% na taxa de abandono: de 1.152 alunos (2015) para 413 (2016). O resultado do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) também mostra que o ensino fundamental 1 superou a meta do Ministério da Educação, alcançando 4,5, enquanto o esperado era 4,3.

Esses e outros resultados foram apresentados durante o evento de culminância do Plano Intersetorial pela Educação de São Miguel dos Campos, realizado na última sexta, dia 2 de dezembro, no auditório da Secretaria Municipal de Educação de São Miguel dos Campos, onde estavam presentes dezenas de representantes da comunidade escolar, a secretária de Educação, Maria do Amparo, o prefeito George Clemente, a diretora do Instituto Inspirare, Anna Penido, além de outros parceiros da iniciativa.

Entre os avanços, percebe-se que os alunos com deficiência ganharam atenção maior desde 2014. A rede municipal fechará este ano com 63% de aumento na quantidade de alunos com deficiência atendidos em salas multifuncionais (de 52 para 140) e crescimento de 21% no número de alunos com deficiência matriculados nas escolas municipais (de 168 para 212).

Como resultado do fortalecimento da integração entre secretarias, o meio ambiente passou a ser mais valorizado nas escolas. Na rede municipal, 85% das unidades de ensino estão executando projetos e práticas sustentáveis, envolvendo mais de 6 mil alunos. O impacto foi positivo também nos espaços esportivos, que passaram a garantir acessibilidade.

A parceria com a saúde assegurou palestras e orientações sobre alimentação saudável, combate à violência, drogas e álcool nas escolas, alcançando mais de 2 mil alunos e familiares. Como resultado de ações conjuntas entre secretarias, 1.600 adolescentes e jovens participaram de cursos profissionalizantes e famílias foram contempladas com atividades de fortalecimento da participação na vida escolar dos alunos.

Plano Intersetorial pela Educação

Esses e outros resultados são frutos do Plano Intersetorial pela Educação de São Miguel dos Campos, uma iniciativa inédita do município, abraçada pelo poder público, conselhos de direitos, empresas, organizações parceiras e comunidade escolar. O documento é resultado de um trabalho coletivo, elaborado a partir de um diagnóstico educacional de São Miguel dos Campos. O Plano estabeleceu 28 metas e 78 ações a serem realizadas até o final da atual gestão municipal.

Das 78 ações, 93% foram executadas integralmente ou parcialmente. Das 28 metas, 39% foram alcançadas, 18% parcialmente alcançadas, 14% não alcançadas e 29% não tem dados oficiais. Esse é um ponto de atenção importante. Alguns dados não puderam ser avaliados por falta de registro oficial. Foi o caso da situação de obesidade, hipertensão e adoecimento de crianças.

Também permanecem desafios que exigem a continuidade da atuação intersetorial, como o enfrentamento da distorção idade/série no ensino médio, cuja taxa cresceu de 154 (2014) para 1.182 alunos (2016). Em 2015 houve ainda redução da oferta de atividades de educação ampliada de 2200 para 1267 na rede municipal, como resultado do encerramento programa federal Mais Educação.

Outra questão preocupante é a violência contra adolescentes e jovens. No período de 2014 a 2016, os casos de homicídio juvenil cresceram de 4 para 15; o número de adolescentes em conflito com a lei aumentou de 4 para 16 e o número de casos de violência física contra crianças e adolescentes cresceu de 2 para 8.

A próxima edição do Plano, a ser elaborada em 2017, deve viabilizar a implementação da Política de Educação Integral do município, também concebida a partir de esforço colaborativo de secretarias de governo, escolas e representantes da sociedade civil. O Projeto de Lei da Política de Educação Integral também está previsto para ser aprovado na Câmara Municipal ainda este ano.

Confira aqui a apresentação dos resultados do Plano Intersetorial.

Escuta Escolar reúne propostas para candidatos a Prefeito de São Miguel dos Campos

03/08/16 //

O Fórum Comunitário de São Miguel dos Campos realizou, no último dia 03 de agosto, uma escuta com a comunidade escolar para saber qual Educação os miguelenses desejam a partir de 2017. As sugestões recebidas serão entregues aos candidatos a Prefeito do município, em setembro, durante debate sobre Educação.

Participaram da escuta cerca de 100 representantes das 22 escolas municipais de São Miguel dos Campos. Além das sugestões elaboradas pelos participantes, algumas escolas também entregaram propostas reunidas durante mobilização prévia em suas unidades.

Escuta Escolar no Fórum Comunitário de São Miguel dos Campos.

A Escuta partiu da pergunta “Qual educação desejamos para São Miguel dos Campos?”, contemplando os eixos Gestão Escolar, Infraestrutura, Práticas Pedagógicas, Transporte, Formação e Alimentação. Os candidatos a prefeito terão a oportunidades de receber em mãos propostas de prioridades para a educação do município a partir da perspectiva de alunos, professores, pais/responsáveis, gestores e outros profissionais da educação (merendeiras, porteiros, zeladores etc).

Uma comissão eleita durante a Escuta Escolar está elaborando a sistematização das propostas e contribuindo com a organização do debate com os candidatos que será realizado durante a próxima reunião do Fórum Comunitário em setembro.

Primeira-dama de Alagoas conhece projeto de melhoria da educação em São Miguel dos Campos

22/07/16 //

A convite do Instituto Inspirare, a primeira-dama do Estado de Alagoas, Renata Calheiros, fez uma visita ao município de São Miguel dos Campos no último dia 21 de julho para conhecer a iniciativa que vem contribuindo para a melhoria da educação na cidade. Acompanhada da secretária executiva da Secretaria Estadual de Educação, Laura Souza, e da diretora do Inspirare, Anna Penido, a primeira-dama participou de uma reunião com diversos representantes da comunidade escolar, realizada na sede da Secretaria Municipal de Educação (SEMED).

O prefeito George Clemente e a secretária adjunta municipal de Educação, Alexsandra Rodrigues, participaram da roda de conversa sobre os avanços e desafios na área educacional.

Primeira-dama participou de uma reunião na sede da Secretaria Municipal de Educação (SEMED).

O foco principal do encontro, que contou com professores, gestores, alunos, familiares dos estudantes, técnicos da SEMED e de outras secretarias e representantes da sociedade civil, foi o Plano Intersetorial pela Educação, implantado na cidade há mais de dois anos. O Plano reúne uma série de metas e ações que são realizadas de forma articulada por várias secretarias e buscam promover o pleno desenvolvimento de crianças, adolescentes e jovens miguelenses por meio da promoção de uma educação integral inovadora.

Crédito: Divulgação

Renata Calheiros elogiou a iniciativa do município, que foi o primeiro em Alagoas a implantar o Plano, e parabenizou os envolvidos e a Prefeitura, que vem apoiando as ações executadas nos dois últimos anos.

Plataforma Meu Tutor vai auxiliar estudantes do 8º ano de São Miguel dos Campos

30/06/16 //

A plataforma Meu Tutor, desenvolvida por professores e estudantes da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), vai auxiliar mais de 200 estudantes do 8o ano da rede municipal de São Miguel dos Campos (AL) a melhorarem seu desempenho em Língua Portuguesa e Matemática.

No ano passado, a plataforma chegou ao município e auxiliou aproximadamente 430 alunos do 9o ano, envolvendo 11 professores de 08 escolas, com registro de aumento de rendimento escolar de 22,8% em Língua Portuguesa e 20,8% em Matemática.

Os trabalhos foram retomados no dia 7 de junho, por meio de uma formação focada na apresentação da plataforma e das novidades que foram desenvolvidas para atender o  8o ano e os descritores da Prova Brasil.

Entre as novidades da plataforma está o sistema de mensagens que facilitará a interação entre professores e alunos. O professor pode elogiar um aluno que está indo bem na plataforma ou recomendar um recurso pedagógico que auxilie o estudante com dificuldade em alguma temática.

Os professores também podem inserir o seu próprio material na plataforma, como vídeos e questões. O próximo passo será adaptar esse novo conteúdo inserido às necessidades dos estudantes.

Política de Educação Integral de São Miguel dos Campos aberta para consulta pública

16/06/16 //

A Prefeitura de São Miguel dos Campos (AL) publicou no dia 8 de junho a primeira versão da sua Política de Educação Integral, construída por representantes de diferentes secretarias de governo, técnicos da Secretaria Municipal de Educação, representantes das escolas do município e cidadãos participantes do Fórum Comunitário pela Educação na cidade.

O processo contou com o apoio do Instituto Inspirare, do Centro de Referências em Educação Integral e de outras organizações não-governamentais e a primeira redação já foi revisada pelo Conselho Municipal de Educação do município.

A fim de responder às necessidades da população miguelense, o texto da Política, que será posteriormente encaminhado para votação na Câmara Municipal dos Vereadores, está aberto para consulta pública e pode ser acessada nesse link.

Todos podem contribuir com a redação original, comentando o conteúdo geral e/ou pontos específicos até o dia 18 de junho de 2016.

Além da consulta, a redação original foi apreciada pelo Fórum Intersetorial do município, que reúne diversas secretarias de governo, representantes da Secretaria de Educação do Estado do Alagoas e parceiros da região e pelo Fórum Comunitário, que reúne representantes da sociedade civil, comunidades escolares, usuários dos serviços públicos do município e cidadãos envolvidos com o tema da educação integral.

Todas as contribuições serão recebidas e avaliadas para a redação da 2ª versão. Para participar, é só enviar a sugestão para o e-mail politica.ei.smc@gmail.com ou no campo de comentários dessa página.

Editais fomentam projetos de professores e estudantes do Rio Vermelho

17/05/16 //

O Bairro-Escola Rio Vermelho (Salvador-BA) realizou a primeira edição dos editais #MinhaEscolaMeuMundo e Minha Escola é Inovadora com objetivo de fomentar práticas e soluções pedagógicas de educação integral que utilizem os ativos da comunidade para potencializar a aprendizagem e o desenvolvimento dos estudantes das escolas parceiras da articulação.

O resultado dos editais foi divulgado durante encontro de Grupo Ampliado (instância que reúne mensalmente diversos representantes do bairro) realizado em maio na sede da Nossa – Casa Colaborativa. Durante o encontro, representantes de cinco escolas parceiras celebraram um Termo de Compromisso com a execução das ações previstas nos sete projetos selecionados.

Representantes das escolas assinaram termo de compromisso durante a reunião do grupo ampliado do Bairro Escola Rio Vermelho. Acervo pessoal.

Representantes das escolas assinaram termo de compromisso durante a reunião do grupo ampliado do Bairro-Escola Rio Vermelho. Acervo pessoal.

Nosso Recanto, apresentado por estudantes do Colégio Estadual Euricles de Matos, e o Escola Limpa, Escola Linda, dos estudantes do Colégio Estadual Alfredo Magalhães, foram os projetos selecionados pelo edital  #MinhaEscolaMeuMundo. Eles receberão apoio financeiro no valor de R$  2.500,00 e acompanhamento pedagógico que será realizado por educadores da ONG Cipó – Comunicação Interativa. Os projetos selecionados devem durar seis meses e terá sua culminância durante o IV Festival Bairro-Escola Rio Vermelho, a ser realizado em uma praça do bairro.

O edital Minha Escola é Inovadora selecionou cinco propostas apresentadas por professores: II Feira Literária: em busca de nossas raízes africanas (Escola Municipal Senhora Santana), Fatos e Fotos do Rio Vermelho (APADA), Leitura e Escrita: compromisso de todos (Colégio Estadual Euricles de Matos), Projeto DiverSegunda: a segunda com programação de primeira (Colégio Estadual Alfredo Magalhães) e O desenvolvimento de práticas e atividades para melhorias no processo  de ensino aprendizagem (Colégio Estadual Dionísio Cerqueira). Cada projeto receberá aporte de R$ 3.000,00 e também terá um prazo de execução de 6 meses, com apresentação pública durante o Festival.

Os editais, financiados pelo Inspirare, foram uma inciativa da Comissão Gestora do Bairro-Escola, instância que reúne diversas representações do bairro e que delibera sobre os rumos da articulação, tendo o Plano Educativo Local como bússola para promoção das ações.

Todos os projetos selecionados atendem a critérios importantes como envolvimento de estudantes e professores, uso do território para realização das ações, estímulo à práticas didáticas inovadoras, alinhamento com o Plano Educativo Local, participação das famílias, entre outros.

Teatro e Culinária numa merenda animada

07/01/16 //

*Por Quintino Andrade, da Agência Bairro-Escola Rio Vermelho

Que tal juntar culinária e teatro? Essa é a proposta do projeto Merenda Animada. A ideia é reunir alunos da escola pública, acompanhados de professores, merendeiras, para um encontro de 2 a 3 horas, onde haverá uma performance/apresentação musical/teatral/artística numa atividade que levará os alunos a prepararem uma “merenda animada” com o Chef José Morchon, do restaurante La Taperia.

A primeira edição aconteceu no dia 22 de dezembro de 2015 e contou com a participação do ator baiano João Miguel. João fez uma oficina teatral com diversas dinâmicas. Enquanto isso, o Chef espanhol José preparava o almoço para todos. A atividade contou com a participação de 15 jovens, dos Colégios Estaduais Euricles de Matos e General Dionísio Cerqueira, além de funcionários do restaurante e amigos do La Taperia.

Crédito: Agência Bairro-Escola Rio Vermelho

Crédito: Agência Bairro-Escola Rio Vermelho

“Uma parceria como essas tem a intenção de oportunizar aos alunos o acesso a cultura e arte no próprio bairro do Rio Vermelho, e fazer com que os jovens compreendam o universo culinário como criativo e inovador”, conta Natalice Sales, da CIPÓ – Comunicação Interativa.

O projeto também pretende despertar nos estudantes outros olhares para as diversas produções artísticas, e estimular nos jovens a compreensão da arte como algo funcional. E ponto positivo do projeto é a possibilidade realização em diversos espaços, sem a necessidade de tantos recursos técnicos. O projeto será desenvolvido durante o ano de 2016 com as escolas parceiras do Bairro-Escola Rio Vermelho.

Município de Alagoas comemora protagonismo de alunos

07/12/15 //

*Por Marina Lopes

Quando o ônibus escolar estacionou, meninas e meninos desceram eufóricos. Na tarde do dia 2 de dezembro, o veículo que transportava alunos da rede pública municipal de São Miguel dos Campos, a quase 60 km de Maceió (AL), tinha feito outro caminho. Ao invés de seguir para escola, o ponto de parada foi o Clube Canavieiros. Lá, os primeiros resultados de trabalhos desenvolvidos no município durante o ano seriam apresentados à comunidade.

Em um local com aparência de galpão antigo, projeções de vídeos, tecidos coloridos, bexigas e cartazes pendurados nas paredes chamavam atenção de quem passava. Mais do que objetos de decoração, eles serviram de suporte para a apresentação de diferentes projetos – de atividades de reciclagem ou criação de horta a trabalhos feitos com auxílio de tecnologia, como plataformas e dispositivos móveis. “Tem chegado muitas coisas pra gente aprender melhor”, explicava a aluna Rhaiany Silva Santos, 12, do sétimo ano da Escola Municipal Rui Palmeira.

Há dois anos, o município começou a fazer um diagnóstico da sua realidade educacional para identificar os principais desafios e potencialidades do local. Em uma construção coletiva, o levantamento deu origem ao Plano Intersetorial pela Educação de São Miguel dos Campos, lançado em novembro de 2014 com o objetivo melhorar a qualidade de vida e assegurar o desenvolvimento de crianças, adolescentes e jovens da região.

Crédito: Marina Lopes

Crédito: Marina Lopes

Durante todo o dia, os estudantes realizaram performances de dança e teatro, como capoeira, dança de rua e até a releitura do tradicional conto de fadas A Bela e a Fera. Quase mil pessoas circularam pelo espaço, entre alunos, educadores, familiares e membros da comunidade. Representando o poder público, estiveram presentes o prefeito George Clemente, a secretária municipal de Educação, Maria do Amparo Carvalho, e o vice-governador do Estado de Alagoas e secretário estadual de educação, Luciano Barbosa.

Novos escritores

Havia muita coisa acontecendo ao mesmo tempo, mas ninguém roubou tanto a cena quanto os 197 jovens escritores que lançaram seus primeiros livros, feito que, segundo o prefeito, pela quantidade de novos autores deveria entrar para os famosos recordes do Guinness Book. Com roupas de festa e a presença de familiares, os jovens realizaram uma sessão de autógrafos das suas obras. A empolgação dos novos escritores chegava a contagiar, convertendo-se em lágrimas, sorrisos orgulhosos e olhares atentos para as histórias redigidas por meninos e meninas da rede pública do município.

Ao caminhar pelo espaço, o vice-governador ficou admirado quando foi presenteado por um aluno com um livro autografado por ele. “Para uma criança, era aparentemente inimaginável conseguir se tornar autora de um livro”, mencionou enquanto conversava com o Porvir. A professora de português Maria Cleide Marques, da E.E. Rui Palmeira, que nunca tinha tido a oportunidade de alcançar esse feito conseguiu concretizar um pedaço do seu sonho ao ver a realização dos alunos. “Foi como se eu também tivesse realizado meu sonho por meio deles”, contou ela, que não perdeu a esperança de escrever.

Crédito: Marina Lopes

Crédito: Marina Lopes

Com camisa social e gravata, o aluno do nono ano José Adriano, 14, da Escola Municipal Luzinete e Lindalva Jatobá, estava acompanhado da mãe Márcia de Oliveira, que não escondia a satisfação em ver o seu filho lançando o primeiro livro. “Como mãe, eu me sinto muito orgulhosa de ver ele progredindo. É uma novidade ver meu filho escrever um livro”, dizia. Para o menino, a experiência também era nova, tanto quanto a do personagem principal do seu livro que saiu da fazenda para conhecer o mundo. “Nunca tinha pensado que poderia escrever um livro antes”, contou o novo autor.

Durante o ano letivo, segundo o professor Luís Junqueira, idealizador do projeto, os problemas de infraestrutura e tecnologia para usar a plataforma Primeiro Livro foram mínimos diante da criatividade dos alunos que até escreveram parte dos livros à mão.“O que me emociona é ver a participação família. O orgulho de abrir um livro e dizer: fui eu que escrevi. Isso me enche os olhos”, disse.

Concurso de projetos

Em um dos espaços reservados para expor os trabalhos, alunos da Escola Municipal Rui Palmeira apresentaram um vídeo com seus desejos para a escola do século 21. “Queremos a escola com mais tecnologia para ajudar a gente nos estudos”, defendia Embert Fernandes dos Santos, 13, do sétimo ano. “Antes as pessoas usavam coisas muito antigas, tipo a senhora que está aí escrevendo à mão”, comentou o menino, de forma espontânea, ao olhar para o bloco de anotações utilizado durante a reportagem.

Junto com seus colegas, Embert segurava um tablet e explicava o curta-metragem produzido por eles. Ao lado, outro grupo da escola contava sobre uma campanha de reciclagem que idealizaram. Os trabalhos da Rui Palmeira foram uns dos cinco concorrentes do Concurso de Projetos das Escolas de São Miguel dos Campos, organizados pela plataforma Wikidu, que é utilizada como ferramenta de apoio para a realização de projetos em oito escolas do município.

insti smc 03

Evento em São Miguel dos Campos comemora protagonismo dos estudantes

Enquanto o Porvir andava pelo espaço, uma aluna de 11 anos se aproximou e disse: onde você mora tem horta? A pergunta lançada por Amanda Nascimento foi uma espécie de convite para ouvir sobre o projeto feito pelos alunos da Escola Municipal José Marcos da Rocha.

Entre muitas propostas criativas, o prêmio de R$1.000 ficou com a Escola Municipal Dr. Iramilton Leite, que foi representada por trabalhos de duas equipes, um registro fotográfico sobre a realidade do Loteamento Hélio Jatobá, vencedor do concurso, e uma reportagem sobre os sonhos para o futuro dos estudantes de São Miguel dos Campos.

Também foram premiados cinco alunos com melhor desempenho no simulado da Prova Brasil. Eles foram realizados pela plataforma Meu Tutor, com a participação de 797 estudantes, de nove escolas municipais da região.

Além dos projetos com apresentações conduzidas pelos alunos, o evento também abriu espaço à divulgação dos resultados de ações com articulações intersetoriais do município alagoano, incluindo iniciativas de fortalecimento da educação integral, melhoria da leitura, participação da família, protagonismo juvenil e reformulação do ensino fundamental 2.

“Eu estou sinceramente admirado da capacidade de mobilização que esses instrumentos conseguem trazer para dentro de uma escola. Temos que replicar esse modelo”, disse o vice-governador, que anunciou um plano para construção de uma escola de ensino médio no município.

Uma política de educação construída a muitas mãos

07/12/15 //

*Por Marina Lopes

Uma revolução enorme. É assim que a professora Dulcinéia Paulo da Silva, da Escola Estadual Rui Palmeira, define o que tem acontecido na educação de São Miguel dos Campos, a quase 60 km de Maceió (AL). As transformações são resultado de uma iniciativa inédita no município: a construção do Plano Intersetorial pela Educação de São Miguel dos Campos, que articula diferentes membros da comunidade, organizações e setores do poder público em um trabalho coletivo em prol da melhoria da qualidade da educação.

Lançado em novembro de 2014, o Plano busca assegurar o desenvolvimento de crianças, adolescentes e jovens como cidadãos plenos, preparados para realizar o seu projeto de vida e construir um futuro promissor. A ação já começa a ser materializada em histórias como a do jovem Jeferson Santos, 14, do oitavo ano da Escola Municipal Iramilton Leite, que descobriu na escola o seu talento para fotografia. “Quando eu tirei as fotos para um trabalho [realizado com o suporte da plataforma Wikidu], eles não acreditaram que foi um aluno que fez. Eu não sabia que tinha esse talento. Fui me descobrindo”, contou o menino, enquanto apresentava sua exposição fotográfica em um evento aberto para a comunidade.

Os primeiros resultados dos projetos desenvolvidos por escolas do município foram apresentados no dia 2 de dezembro, durante um evento em um clube da cidade. “Dentro da escola nós já percebemos uma movimentação diferente”, observa Ana Márcia Ribas, coordenadora da Escola Municipal Mário Soares Palmeira.

Crédito: Marina Lopes

Crédito: Marina Lopes

Em outubro de 2013, o documento começou a ser construído a partir de um diagnóstico sobre a realidade educacional miguelense, em que foram levantadas as demandas e prioridades do município. Iniciado pelo Instituto Inspirare, por meio do programa Laboratórios Educativos, o processo de construção do Plano envolveu a comunidade, setores do poder público, conselhos, empresas, institutos e organizações parceiras, como a Associação Cidade Escola Aprendiz, a Comunidade Educativa CEDAC/Todos Pela Educação, o Instituto Chapada de Educação e Pesquisa, o Media Lab Education, a Viração e as plataformas Meu Tutor, Primeiro Livro e Wikidu.

Construção das metas

Como resultado de um esforço coletivo, foram definidos oito eixos prioritários para transformar a educação no município: fortalecimento e participação das famílias; prevenção a situações de risco social e uso/abuso de drogas; desenvolvimento infantil; inclusão de crianças, adolescentes e jovens com deficiência e transtornos globais do desenvolvimento; mobilização do poder público e da comunidade; sustentabilidade socioambiental; educação integral; e formação profissionalizante.

“Antes, cada um trabalhava de uma forma independente, mas com construção do Plano vimos que tínhamos uma linguagem comum e precisávamos conversar. Essa interligação de todas as secretarias foi muito importante para São Miguel dos Campos dar um salto positivo”, lembra o prefeito de São Miguel dos Campos, George Clemente.

Diante do levantamento das necessidades e prioridades do município, foram identificados parceiros técnicos que poderiam atuar em cada uma das demandas. Começaram a ser realizadas formações com os professores e equipes técnicas das secretarias, ações de melhoria da leitura na educação infantil e fundamental 1, redesenho do currículo do fundamental 2, adoção de estratégias para o fortalecimento da participação da família e estímulo à participação democrática da comunidade.

Crédito: Marina Lopes

Crédito: Marina Lopes

Com eixos definidos e 28 metas levantadas para serem atingidas até 2016, o Plano foi usado como norte para os esforços em busca de uma educação de qualidade no município. “A Semed (Secretaria Municipal de Educação) começou a se organizar mais, tanto no seu planejamento, como na sua agenda de trabalho. Passamos a ter mais envolvimento de todos”, explicou a secretária de educação Maria do Amparo.

Participação e mobilização

Para garantir a participação e o engajamento, o Plano reúne duas instâncias: o fórum intersetorial, responsável pela implementação, que conta com representantes de secretarias, organizações sociais e empresas; e o fórum comunitário, que tem o envolvimento de 150 educadores, alunos, pais, técnicos, diretores de escolas, conselheiros e lideranças comunitárias que elaboram propostas e implementam ações.

“O grande sonho é a gente conseguir articular uma grande rede, envolvendo poder público, instituições e sociedade civil”, diz Adla Maria Cavalcante, coordenadora de gestão educacional da Semed.

Como estratégia para fortalecer a representação dos jovens, também foi articulado um grupo de Jovens Mobilizadores, que atua como “um símbolo para apoiar e representar os jovens no município”, como define o integrante David Lucas Ferreira da Silva, 15, aluno do primeiro ano do ensino médio, da Escola Estadual Ana Lins. “A parada da evasão escolar não estava funcionando. Foi aí que a gente pensou que seria mais fácil – de jovem para jovem – entender por que eles estão saindo da escola”, exemplificou.

Apoio coletivo para mudanças

“A gente planejava as coisas e não conseguia executar”, lembra a diretora Sônia Falcão, da E.E. Rui Palmeira. Com a articulação de diferentes atores e a chegada dos parceiros, a educadora diz que as mudanças começaram a ganhar forma na escola. Por lá, começaram a ser desenvolvidas atividades voltadas para o desenvolvimento integral dos alunos, projetos com o uso de de tecnologia e iniciativas voltadas para o incentivo à leitura e escrita. “Eu tenho vinte anos na educação, mas nunca tinha visto o que está acontecendo em São Miguel. Muita mudança em pouco tempo”, define.

Crédito: Marina Lopes

Crédito: Marina Lopes

Na Escola Municipal Dr. Iramilton Leite, os novos projetos e o apoio dos parceiros também trouxe um ânimo novo. “Os alunos estavam um pouco desmotivados. Isso fez com que eles tivessem um objetivo e fossem mais além”, comenta a diretora Josenilda da Costa.

Quando começou a fazer um projeto da plataforma Wikidu, o aluno, Valdir Luís Santos, 16, do oitavo ano, revela que não estava muito empolgado. No entanto, após começar a produção de uma reportagem sobre sonhos dos jovens para o futuro do município, ele diz que passou a pegar gosto. “Nós podemos mudar e vamos continuar mudando.”

Na avaliação da secretária de educação, após cerca de 60% das metas do Plano Intersetorial atingidas, os depoimentos de alunos e professores dão a pista de que o município está no caminho certo. Agora, segundo ela, os principais desafios são trazer o maior número de profissionais para participar desta implementação.

 

São Miguel dos Campos apresenta resultados do Plano Intersetorial pela Educação

01/12/15 //

Os primeiros resultados das iniciativas desenvolvidas no Plano Intersetorial pela Educação de São Miguel dos Campos (AL) serão divulgados nesta quarta-feira, 2 de dezembro, durante extensa programação a partir das 14 horas,no Clube Canavieiros, em São Miguel dos Campos. Lançado no final de 2014, o Plano Intersetorial tem o desafio de garantir as condições necessárias para o desenvolvimento pleno de crianças, adolescentes e jovens como cidadãos, preparando-os para viver com dignidade, realizar o próprio projeto de vida e construir um futuro promissor para si e para o município.

Inédito no município, o Plano Intersetorial foi abraçado pelo poder público, por conselhos de direitos, empresas, institutos, organizações parceiras e comunidade escolar. O evento contará com a participação do vice-governador e secretário estadual de Educação de Alagoas, Luciano Barbosa;do prefeito George Clemente e de representantes do poder público, da iniciativa privada e da sociedade civil, além dos protagonistas desta importante iniciativa em prol da educação.

Como parte da programação serão apresentados os resultados de vários projetos compostos por iniciativas ambientais, fortalecimento da educação integral, ações de melhoria da leitura na educação infantil e no Fundamental I, reformulação do Fundamental II e ações de fortalecimento da participação da família na escola, protagonismo juvenil, participação democrática da comunidade e fortalecimento da atuação intersetorial. Na agenda do evento, exposições, apresentações culturais, premiações e noite de autógrafos com 180 jovens escritores de escolas públicas.

Alunos, professores e gestores educacionais contarão como as ações e projetos estão mudando as próprias vidas ao proporcionar oportunidades educacionais transformadoras. As autoridades e parceiros reforçarão o compromisso pela educação do município. Estão previstas exposições, apresentações culturais e mostra de produtos e resultados e um “Momento de Culminância”, que contará com depoimentos (parceiros, autoridades, educadores e alunos), premiações e noite de autógrafos.

Em 2013, o Instituto Inspirare começou a desenvolver um processo de estímulo para melhorar a educação que culminou com a elaboração do Plano Intersetorial pela Educação – construído com a participação da própria comunidade de São Miguel dos Campos, de diversas secretarias municipais e apoiado por parceiros identificados pelo instituto para fortalecer as áreas identificadas como prioritárias para a transformação da educação no município. O esforço coletivo tem sido monitorado de forma sistemática e já mostra que 60% das ações propostas inicialmente foram concluídas com sucesso ou estão sendo realizadas no prazo previsto.

Estruturado em oito eixos – educação integral; fortalecimento e participação das famílias; desenvolvimento infantil; mobilização do poder público e comunidade; inclusão de crianças, adolescentes e jovens com deficiências e TGD (TranstornoGlobal do Desenvolvimento); prevenção a situações de risco social e abuso de drogas; sustentabilidade socioambiental; e formação profissional – o Plano Intersetorial tem por objetivo promover direitos, saúde e qualidade de vida para que os alunos disponham das condições necessárias para o seu pleno desenvolvimento; assegurar a conclusão da educação básica com a aprendizagem necessária para que os alunos sigam estudando em universidades ou cursos técnicos; promover a formação cidadã, para uma atuação social ética, consciente e responsável; desenvolver valores, atitudes e habilidades necessárias para enfrentar os desafios do mundo atual; preparar para o mundo do trabalho, capacitando trabalhadores e empreendedores produtivos.

Aliança em prol da educação

Com o apoio do Instituto Inspirare, o Plano Intersetorial de São Miguel dos Campos integra o programa Laboratórios Educativos, que promove a articulação entre escolas e comunidades para experimentar inovações educacionais e inspirar novos modelos e práticas pedagógicas. Em São Miguel dos Campos, as ações conduzidas desde final de 2014 por parceiros técnicos buscam mobilizar, engajar e desenvolver o potencial dos agentes locais. No cerne do objetivo, elevar o nível de corresponsabilização da população e a capacidade de gerar melhorias estruturantes e sustentáveis, que transformem a educação miguelense.

Duas instâncias de participação apoiam esse processo. O Fórum Comunitário reúne cerca de 150 educadores, alunos, pais, técnicos e diretores de escolas, conselheiros e lideranças comunitárias – que elaboram propostas e implementam ações por meio de grupos de trabalho. O Fórum Intersetorial é composto por representantes de secretarias municipais e estadual, organizações sociais e empresas e tem a responsabilidade de liderar a implementação, o acompanhamento e a avaliação das metas do Plano Intersetorial pela Educação. O Inspirare também busca fortalecer a participação cidadã de adolescentes e jovens miguelenses, desenvolvendo seu espírito de liderança, promovendo o engajamento e apoiando o protagonismo na realização de ações de comunicação e mobilização social pela melhoria da educação no município.

Projetos que integram a programação do evento

Primeiro Livro

Cerca de 180 jovens escritores, do sexto ao nono ano do Fundamental II, participaram do Primeiro Livro – projeto que visa estimular a criatividade de crianças e adolescentes, sendo um agente transformador na educação. Entre as escolas participantes: Escola Municipal Mário Soares Palmeira, Escola Municipal Rui Palmeira, Escola Municipal Dr. Iramilton Leite e Escola Municipal Luzinete.

Plataforma Meu Tutor

O projeto vai premiar cinco alunos que tiveram o melhor desempenho no simulado da Prova Brasil, realizado pela plataforma MeuTutor. Também serão reconhecidos os professores que mais utilizaram e motivaram o uso da plataforma durante a “Maratona Prova Brasil”. Participaram desta campanha 797 alunos do 9º ano e 22 professores de oito escolas de São Miguel dos Campos. Durante a maratona foram resolvidos 77.726 problemas e vistos 357 vídeos. Escolas participantes: Esther Soares Torres, Luzinete e Lindalva Jatobá, Rui Palmeira, José Marcos da Rocha, Imaculada Conceição, Desembargador José Fernando Lima Souza, Dr. Iramilton Leite e Mário Soares Palmeira.

Wikidu

A primeira edição do Concurso de Projetos das escolas de São Miguel dos Campos contou com 28 projetos inscritos e desenvolvidos ao longo de dois meses de trabalho e inspiração. São trabalhos executados por estudantes de oito escolas municipais (Colégio Esther Soares Torres, E. M. Desembargador José Fernando Lima Souza, E. M. Imaculada Conceição, E. M. Iramilton Leite, E. M. José Marcos da Rocha, E. M. Luzinete e Lindalva Jatobá, E. M. Mario Soares Palmeira e E. M. Rui Palmeira), que refletiram e atuaram na construção de projetos autorais com o tema “A São Miguel dos Campos do Futuro”. Cinco projetos serão premiados amanhã.

Seminário avalia positivamente ações do Bairro-Escola Rio Vermelho

25/11/15 //

O IV Seminário Bairro-Escola Rio Vermelho (BERV), realizado no dia 24 de novembro de 2015, na Escola Politécnica da Universidade Federal da Bahia, promoveu uma avaliação das ações dos últimos anos da iniciativa, a partir do Marco de Resultados criado em 2013, e priorização das ações para o próximo ano.

Os grupos de trabalho avaliaram que o Bairro-Escola Rio Vermelho encontra-se na fase intermediária em quase todos os eixos, considerando os resultados esperados até o final de 2016. Uma das metas previstas, por exemplo, é garantir “colaboradores da comunidade capacitados e comprometidos com o planejamento e execução do Plano Educativo Local”. Atualmente, o BERV tem uma estrutura de governança, em fase de consolidação, funcionando com a participação de atores do bairro engajados com a iniciativa.

Crédito: Agência Bairro-Escola Rio Vermelho

Crédito: Agência Bairro-Escola Rio Vermelho

No Eixo de Políticas Públicas, entretanto, avaliou-se que o projeto está em uma fase inicial, já que o poder público começou a entender recentemente a proposta do Bairro-Escola. “A educação integral no Estado também está engatinhando. São apenas três anos”, avaliou Rowena Brito, coordenadora do Programa de Educação Integral – PROEI, da Secretaria Estadual de Educação da Bahia.

Para entender melhor as etapas e estratégias analisadas, é possível baixar o Marco de Resultados do Bairro-Escola Rio Vermelho.

Crédito: Agência Bairro-Escola Rio Vermelho

Crédito: Agência Bairro-Escola Rio Vermelho

No Seminário foi feito também um exercício de planejamento para 2016. Divididos em subgrupos, todos os participantes responderam o que era preciso alcançar em 2016, o que será feito para atingir as metas e quem serão os responsáveis pelas ações. Os parceiros puderam ter uma visão mais ampla sobre o potencial da rede colaborativa criada, com ampla diversidade de grupos, instituições e pessoas interessadas em ofertar seus conhecimentos e, consequentemente, trocar e produzir novos saberes, fortalecendo as ações de educação integral no território do Rio Vermelho.

No âmbito da sustentabilidade do Bairro-Escola, Anna Penido, diretora do Instituto Inspirare, explicou que seria muito importante que a Comissão Gestora apresentasse uma nova proposta de projeto para 2016, com estratégias de superação dos principais desafios identificados ao longo de 2015 e ações que contemplassem o que foi debatido durante o seminário. A Comissão aceitou o desafio e se comprometeu a apresentar um projeto até final de fevereiro.

A sala de aula ganhou asas, rompeu o muro, ocupou a praça

04/10/15 //

Mais de 400 crianças e adolescentes de nove escolas e centros de educação do Rio Vermelho provaram que é possível aprender em outros espaços e com outras pessoas na manhã da última sexta, 23.

Em sua terceira edição, o Festival Bairro-Escola Rio Vermelho teve a programação, produção e comunicação geridas de maneira compartilhada através de grupos de trabalho formados por representante das escolas e do bairro. A Praça Pau Brasil esteve repleta de apresentações, exposições, contações de histórias, rodas de conversas, jogos, oficinas e brincadeiras.

“Eu acho uma iniciativa maravilhosa porque está dando possibilidade às crianças, às escolas públicas de terem um novo horizonte de educação”, comentou Lúcia Menezes, moradora há 50 anos do bairro e integrante da comissão gestora do Bairro-Escola Rio Vermelho.

Crédito: Agência Bairro-Escola Rio Vermelho

Crédito: Agência Bairro-Escola Rio Vermelho 

Na sombra das árvores

Apesar da breve chuva que caiu no início da manhã, a amendoeira da praça ficou cheia de crianças lendo e ouvindo histórias com Raissa Martins, do Livres Livros, e Josiene Borges, da APADA – Associação de Pais e Amigos dos Deficientes Auditivos.

As cascas usadas no piquenique, debaixo da árvore, serviram de matéria prima para a oficina de compostagem com Betina Bona, da Terra Viva, que levou composteiras cheias de minhocas que empolgaram os mais novos. “Todos os resíduos de tudo que a gente come, as folhas, as frutas, isso tudo não é lixo. A gente pode transformar em adubo, ao invés de poluir o rio, poluir o meio ambiente”, explicou Betina.

Na mesma árvore aconteceram duas exposições: Cortinas Sensoriais, produzidas por estudantes da Escola Municipal Osvaldo Cruz, e fotos feitas durante a formação de liderança e comunicação do Colégio Estadual Alfredo Magalhães.

Diversos professores e parceiros do Bairro-Escola fizeram oficinas à sombra de outras árvores da praça. A professora de inglês do Colégio Estadual Manoel Devoto, Maria Vitória, fez uma oficina de marcadores de textos em inglês para os livros da minibiblioteca da praça. O professor de linguagens artísticas do Colégio Estadual Alfredo Magalhães, Jayme Ribeiro, pintou o muro com estudantes do 8º e 9º ano como culminância de um projeto sobre pichações e grafite.

Vitória Santiago, parceira do Ateliê M´Artes, fez com os estudantes chaveiros personalizados. O Centro de Arte Mário Gusmão fez uma oficina de Kirigami, arte japonesa de recorte de papel. O movimento Rio Vermelho em Ação, de moradores do bairro, realizou uma oficina de percussão seguida de conversa sobre a cidade com os estudantes. A paróquia de Santana também esteve presente levando produtos feitos nas oficinas da igreja.

Crédito: Agência Bairro-Escola Rio Vermelho

Crédito: Agência Bairro-Escola Rio Vermelho

Aprender brincando

Ao lado da cruz que existe na praça, foi criado um espaço dedicado às ciências e tecnologia. O Centro Avançado de Ciência do Colégio Alfredo Magalhães levou dois jogos: Pescando Bactérias e Batalha do Coração, produzidos pelos estudantes e premiados no 5° Encontro de Jovens Cientistas.

Um grupo de estudantes da Escola Politécnica da Universidade Federal da Bahia (UFBA) apresentou dois protótipos produzidos pelos estudantes, o de um carro e outro de uma asa do Aero-UFBA, um avião que ganhou prêmios em competições de engenharia aeronáutica.

Por toda a praça jogos e brincadeiras tradicionais chamaram a atenção de estudantes. “Utilizo materiais reciclados e transformo em brinquedos, seja ele perna-de-lata, perna-de-pau. Aqui no Festival temos uma mesa de ping pong feita de tábuas que achei no lixo”, explicou o arte educador Carlos de Jesus, que levou jogos de tabuleiros e ensinou as crianças a fazerem barangandão.

Os sussurradores do Colégio Estadual Euricles de Matos, com a professora Eliete Barreto, fizeram na praça customizações de canudos usados para declamar poesias ao pé do ouvido.

O Rio Vermelho em Ação, grupo de moradores do bairro, fez uma oficina de batucada com estudantes de diversos colégios e construíram um mapa colaborativo indicando a localização da moradia dos alunos. O grupo Palhaços do Rio Vermelho fez pinturas artísticas nos estudantes.

O evento teve cobertura de comunicação feita pelos líderes do Euricles de Matos. Eles utilizarão este exercício para criar seus próprios produtos de comunicação.

Crédito: Agência Bairro-Escola Rio Vermelho

Crédito: Agência Bairro-Escola Rio Vermelho

A cantora Cyda Lyyma e Raiza Santos, estudante do Colégio Estadual Dionísio Cerqueira, fizeram as honras da casa como mestres de cerimônia. Juntas com um coral de estudantes do Colégio Estadual Alfredo Magalhães, cantaram a música do Bairro-Escola Rio Vermelho, composta por Cyda.

Ginástica, capoeira, caratê, maculelê, músicas de composição próprias, coral, orquestra de flauta, danças e poesias foram apresentadas pelos estudantes dos Colégios Estaduais Euricles de Matos, Alfredo Magalhães, Dionísio Cerqueira e Cupertino de Lacerda, da Escola Municipal Ana Nery, da Hora da Criança e da Escola Cresça e Apareça.

O Centro de Zoonoses apresentou também uma esquete chamada Xô Xô Dengue, sobre a prevenção das doenças transmitidas pelo mosquito Aedes Aegypti. Na ocasião, a chef Tereza Paim contou a experiência do prêmio Aluno Destaque Rio Vermelho, criado por empresários do bairro, que irá premiar estudantes com os melhores desempenhos na Escola Municipal Osvaldo Cruz e Colégios Alfredo Magalhães e Euricles de Matos.

Fotos das oficinas de fotografia ministradas pelos educadores da Oi Kabum! Para os professores do Alfredo Magalhães foram exibidas na praça, assim como o processo da oficina Memórias de Mim, ministrada por Bruno Furtado com estudantes do EJA do Dionísio Cerqueira.

Lazzo Matumbi, o rei dos Palhaços do Rio Vermelho, encerrou o Festival com uma roda de conversa sobre diversidade e preconceito, seguido da Orquestra Filarmônica Maestro Agenor Gomes, da Hora da Criança.

Cerca de 200 voluntários transformam escola em local melhor para aprender

24/08/15 //

A manhã ensolarada do sábado, 22, já sinalizava a beleza do dia escolhido pela comunidade de São Miguel dos Campos (AL) e funcionários da GranBio – empresa de biotecnologia industrial 100% brasileira – para fazerem a diferença na vida de crianças e adolescentes da Escola Municipal Dr. Iramilton Leite.

Ao todo, mais de 200 pessoas participaram de ação voluntária na unidade de ensino localizada em uma das áreas mais vulneráveis da cidade, transformando a escola em um ambiente mais acolhedor, alegre e funcional.

Crédito: Felipe Brasil

Crédito: Felipe Brasil

Das oito da manhã até o início da noite, professores, diretores, alunos, familiares, gestores municipais e voluntários se dividiram em equipes em torno de um único objetivo: transformar a escola em um lugar que proporcione melhor aprendizado e maior bem estar para os estudantes, profissionais da educação e familiares.

A iniciativa é resultado de parceria entre a Prefeitura Municipal de São Miguel dos Campos, a GranBio, (Programa SOU Cidadania), Instituto Inspirare e a comunidade escolar. Contou também com o apoio de fornecedores da empresa, que doaram materiais diversos a partir de mobilização realizada pelos funcionários da GranBio.

Além da limpeza, pintura e troca de itens quebrados, a escola ganhou um verdadeiro banho de cores em todas as suas paredes, portas e janelas, um campinho para prática esportiva e de lazer, uma sala de leitura com computador e puffs coloridos e um espaço de convivência com mesa e bancos criados com pallets para a hora do lanche.

“Essa reforma significa muito pelo resultado e pela mobilização das pessoas em prol da transformação da escola. O mutirão é uma lição de união e de cuidado com esse espaço. Estou muito esperançosa de que vamos dar um salto na nossa educação”, afirma Josenilda Costa, diretora da escola há três anos.

Crédito: Felipe Brasil

Crédito: Felipe Brasil

Aluno do oitavo ano, Michel de Lima, acompanhou ativamente a transformação que aconteceu na escola durante todo o dia. De olhos atentos e surpresos com a mudança que ficava cada vez mais evidente com o passar das horas, o menino conta que se sentia inseguro com a má estrutura e que a precariedade da sala de aula era um facilitador da indisciplina e falta de atenção.

“Agora, acho que vai ficar muito mais fácil aprender e que todo mundo vai ter mais vontade de vir à escola. Também gostei muito do campinho de esportes, que a gente não tinha aqui e acabava jogando bola no canavial”, comemora o menino.

Anna Penido, diretora do Instituto Inspirare, ressalta que a ação voluntária faz parte de uma iniciativa maior para melhorar a educação da cidade, traduzida no Plano Intersetorial de São Miguel dos Campos. “Essa ação foi o momento de envolver a comunidade para mostrar que é possível transformar a realidade com união e dedicação”, comenta Anna.

Sobre a GranBio

A GranBio é uma empresa brasileira de biotecnologia industrial, que cria soluções para transformar biomassa em produtos renováveis. Pioneira na produção de etanol celulósico, ou de segunda geração (2G), no Hemisfério Sul, a companhia é a única do setor que atua do começo ao fim da cadeia produtiva – da matéria-prima à distribuição do produto final -, integrando tecnologias próprias e de parceiros. Fundada em 2011 pelo empresário Bernardo Gradin, é controlada pela GranInvestimentos S.A.

Sobre o Plano Intersetorial de SMC

O Plano Intersetorial pela Educação de São Miguel dos Campos visa garantir as condições necessárias para o desenvolvimento pleno de crianças, adolescentes e jovens como cidadãos preparados para viver com dignidade, realizar seu projeto de vida e construir um futuro promissor para si e para o município. As metas do plano foram construídas com a participação de mais de 300 representantes do poder público e da sociedade civil, a partir de um amplo diagnóstico da realidade educacional do município.

Conheça mais sobre o Plano Intersetorial